Connect with us

Desaparecimento de criança na praia da Barra da Tijuca completa 4 dias e suspeita de polícia é de afogamento

Desaparecimento de criança na praia da Barra da Tijuca completa 4 dias e suspeita de polícia é de afogamento

Um menino de 6 anos, de nome Edson Davi da Silva Almeida, desapareceu na última quinta-feira (4), na praia da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. A criança acompanhava o pai que trabalha em uma barraca no local.
A maior suspeita da polícia é afogamento', diz irmã de menino desaparecido  na praia
Após 4 dias do sumiço, a Polícia Civil do Rio de Janeiro trabalha com a possibilidade de afogamento, porém não descarta a possibilidade de sequestro. Uma testemunha anônima ouvidas pela Delegacia de Descoberta de Paradeiros (DDPA), afirmou que viu o menino entrar no mar 3 vezes, enquanto jogava bola com outro menino naquela tarde. Porém o pai de Edson afirma que o filho “não gostava de água”. “Todo mundo conhece ele aqui [na praia] e sabe que ele não gosta de água. Ele estava na beirinha do mar, mas não entra na água. Ele sempre fica brincando na areia.” Afirmou em declaração para a CNN.

O comerciante ainda destaca que as buscas por terra não podem parar, já que as 16:00 da tarde da última quinta-feira (4) o menino foi visto circulando sozinho pelo calçadão da praia, nas imagens Edson conversa por alguns instantes com um conhecido da família, e depois, sozinho, volta para a areia.

Depois dessas imagens não se tem mais registros do menino, porém a mesma câmera, cerca de 2 horas depois, mostra o pai do menino a procura de Edson Davi. É pertinente destacar que familiares do menino afirmam que o mesmo frequenta a praia a anos, e tinha hábito de transitar por ela.

Foram enviados 40 bombeiros para participar das buscas, entre mergulhadores e guarda-vidas, além do apoio de drones, um helicóptero e 4 viaturas: “O Corpo de Bombeiros RJ mantém contato permanente, dando todo apoio para a família. Toda informação passada é utilizada e influência nas medidas tomadas, a fim de tornar as buscas mais eficientes”, diz a corporação.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em Brasil

Title

To Top