Connect with us

Especialistas alertam que vacina contra dengue não terá efeito imediato

Especialistas alertam que vacina contra dengue não terá efeito imediato

No dia 21 de dezembro do último ano (2023), o Ministério da Saúde anúnciou a incorporação da vacina contra a dengue pelo SUS. A vacinação tem previsão de início para fevereiro, porém especialistam alertam que os efeitos não vão aparecer de imediato.
Vacina contra dengue não terá impacto imediato, alertam especialistas -  Notícias - R7 Brasília
Para 2024 o Ministério da Saúde já alerta para possíveis 5 milhões de casos, contra 1,6 milhão de 2023. Também é valído destecar que por limitações na produção, a nova vacina só será aplicada em cerca de 2,5 milhões de pessoas, ou seja, pouco mais de 1% da população brasileira. A prioridade será para crianças e adolescentes entre 6 até 16 anos.

O presidente do Conselho Nacional de Secretarias municipais de Saúde (Conasems), Hisham Hamida, destacou que os efeitos da imunização serão sentidos em um médio prazo: “A vacina sendo aplicada agora só vai surtir efeito relacionado a ela a médio prazo. Esse ano possivelmente ainda não teremos esse impacto”, disse Hamida. “O que nós tivermos de produção da indústria nacional sempre é melhor. Temos que fortalecer o complexo industrial da saúde para ter essa segurança de produção,” concluiu.

O infectologista Fernando Chagas, destacou a importância da nova vacina, porém alertou que 2,5 milhões de pessoas vacinadas é pouco: “Se eu freio a situação do vírus, diminuindo a circulação ao vacinar as pessoas, a probabilidade do vírus se espalhar cai substancialmente. Vacinar 2,5 milhões ainda é pouco, mas, por se tratar de uma doença que sempre traz muitos problemas para o Brasil, será de grande importância já nesse primeiro momento”, disse.

Já o médico Manuel Renato Retamozo Palacios, infectologista do hospital Anchieta de Brasília, confia no efeito da estratégia traçada pelo Ministério: “Inicialmente a vacinação vai focar em grupos considerados prioritários, contemplando pessoas que vivem em áreas com alta incidência de dengue ou que tenham maior risco de complicação. Embora isso limite o alcance inicial, é uma estratégia eficaz para maximizar o impacto da vacinação. Proteger esses grupos em primeira mão pode reduzir a carga sobre o sistema de saúde e diminuir a propagação da doença na comunidade, um efeito significativo”, afirmou Palacios.

 

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em Saúde

Title

To Top